Por dentro da carreira em Economia

O que faz o Economista?

O economista é o profissional que entende de ciências humanas (história, sociologia, psicologia...) e exatas (cálculo, estatística, finanças...) para analisar a produção, a distribuição e o consumo de bens e serviços na sociedade. Pode estudar tanto a economia em geral, área chamada de macroeconomia, quanto o cenário econômico de organizações e consumidores individuais, chamado de microeconomia. Essa formação ampla e generalista permite várias atuações para os economistas. Baseado em teorias econômicas e modelos estatísticos, ele pode fazer previsões sobre o impacto dos diversos elementos que interagem na economia, visando a melhoria dos negócios de um indivíduo ou uma empresa. O economista também atua no planejamento de ações e soluções financeiras, administrativas e econômicas em empresas de todos os setores e portes, ou prestando assessoria em consultorias. Ele realiza pesquisas, analisa dados, elabora orçamentos, avalia a produção e o consumo, define políticas econômicas, planeja ações e orienta investidores e empresas na tomada de decisões.

Para atuar como economista, é necessário ter o diploma de bacharelado em Economia e registrar-se no Conselho Regional de Economia (Corecon) do seu estado.

Perfil do profissional de Economia

O profissional de Economia deve ser alguém que gosta e tem facilidade tanto com as ciências exatas quanto as ciências humanas, pois o seu trabalho surge da relação entre essas duas áreas do conhecimento. Portanto, contrário à ideia comum, o aluno de Economia deve sim ser bom em matemática, mas também deve gostar de ler e ter interesse em questões políticas, humanas e sociais. Estar sempre estudando e se atualizando é fundamental para a profissão, pois o cenário econômico muda constantemente e é trabalho do economista acompanhá-lo. Domínio de idiomas e de informática (relatórios, planilhas, etc) são importantes ferramentas do cotidiano do profissional. Além de tudo isso, o que as empresas exigem é um profissional dinâmico e proativo capaz de analisar cenários e identificar e solucionar questões econômicas, gerenciais e operacionais da organização.

A faculdade de Economia

O curso de Economia, também chamado de Ciências Econômicas, é oferecido apenas na habilitação bacharelado, com duração média de 4 anos. O currículo traz disciplinas gerais como cálculo, estatística, finanças, contabilidade, sociologia, antropologia, ciências sociais, ciências políticas, história e psicologia, que dão a base para as análises dos economistas, e também disciplinas específicas da área, como matemática financeira, econometria, pensamento econômico, macroeconomia, microeconomia, comércio exterior, economia brasileira e economia internacional. É indicado realizar estágios durante a faculdade para conhecer a realidade cotidiana da profissão e para ajudar a decidir em qual especialização atuar. O curso de bacharelado também permite ao aluno seguir carreira acadêmica, realizando pesquisas e se qualificando para ser professor universitário. Alguns cursos de Economia têm enfoques específicos enquanto outros tentam formar profissionais o mais generalistas possível, então atente para isso quando estiver pesquisando as grades curriculares das faculdades de seu interesse.

Bacharelado ou tecnólogo?

Não existem cursos tecnólogos diretamente equivalentes ao curso de bacharelado em Economia, mas existem opções de cursos para pessoas que têm interesse em trabalhar na área, por exemplo: Gestão Comercial (planejamento e gerenciamento dos processos de venda e distribuição de bens e serviços), Gestão Financeira (planejamento e gerenciamento dos recursos financeiros de uma empresa) e Comércio Exterior (regulação e gerenciamento de transações, compras e vendas internacionais). Lembrando que o profissional formado nesses cursos não terá o título de economista, reservado aos bacharéis registrados no Corecon, e também atuará de forma distinta do economista, ainda que possa ocupar cargos nos mesmos setores. De forma geral, a atuação de tecnólogos se dá mais com base em dados e fatos gerados por análises financeiras e econômicas, enquanto o economista se baseia mais em teorias e modelos. O bacharel também tem maior mobilidade profissional do que o tecnólogo e, de forma geral, maiores salários. O curso tecnólogo pode ser útil a pessoas que precisam ingressar rapidamente no mercado de trabalho e não impede que o profissional curse a graduação em Economia ou pós-graduações para se especializar e se qualificar cada vez mais. Por isso, na escolha entre um curso de bacharelado ou tecnólogo, reflita sobre as suas intenções profissionais, compare as grades curriculares dos cursos e faculdades de sua preferência e examine as suas possibilidades concretas (tempo e dinheiro necessários, rotina de estudo e/ou estágio, etc) para escolher a opção mais adequada ao seu projeto de vida.

Profissão Economia

Números de mercado de trabalho

Não existe um piso salarial para os economistas, mas por ser um profissional com prestígio social altamente requisitado pelas empresas para melhorar os seus processos, tomadas de decisões e aumentar a competitividade, os economistas costumam ser muito bem remunerados pelas...

Leia Mais