Profissão Serviço Social - Números do mercado de trabalho

Salários

Não existe um piso salarial nacional para o assistente nacional, mas existe um projeto de lei que visa estabelecer o piso salarial em R$3.720,00 para uma jornada de trabalho de 30 horas semanais. Jornada essa, aliás, que foi fixada por lei para essa categoria profissional: um assistente social só pode ser contratado para jornadas de no máximo 30 horas por semana. Portanto, todos os valores se referem a essa carga horária.

O Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) oferece uma tabela de referência para a cobrança mínima de diversos serviços do assistente social, por exemplo: um assistente social com graduação deve cobrar no mínimo R$105,62 por hora; um assistente social com especialização, R$118,62; com mestrado, R$149,49; e com doutorado, R$169,00. Fica claro, então, que a remuneração desse profissional varia bastante de acordo com o seu nível de formação. Ainda assim, infelizmente, a área de Serviço Social não tem o mesmo reconhecimento e status de outras profissões tradicionalmente valorizadas ou que trazem lucros diretos a empresas, e essa realidade social tem reflexos na remuneração do profissional. Em início de carreira, um assistente social costuma ganhar de R$1.100,00 a R$2.200,00 por mês, em cargos como conselheiro tutelar, orientador sócioeducativo e assistente social júnior. Conforme acumula tempo de experiência na área e formações adicionais, como cursos de pós-graduação, o profissional pode assumir cargos com mais responsabilidades e tarefas mais complexas, como analista pleno e sênior e coordenador, ganhando de R$3.000,00 a R$5.000,00. Como na maior parte das profissões, o salário varia de acordo com a área de especialização e o tamanho e a localização da empresa. No auge da carreira, um assistente social pode alcançar cargos de gerência e direção, ganhando de R$6.000,00 a R$7.000,00.

O mercado de trabalho

A maior parte das vagas para graduados em Serviço Social continua sendo o setor público, em que o ingresso se dá através de concursos. Alguns exemplos de instituições onde esse profissional é bastante contratado são hospitais, unidades básicas de saúde, creches, escolas, presídios, abrigos, INSS e Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS). A procura pelo assistente social tem crescido também em ONGs, que o contratam para trabalhar em equipes multidisciplinares. A concentração das vagas está no Sudeste, mas existem boas oportunidades por todo o país. Segundo especialistas, a crescente preocupação com as desigualdades sociais e o fortalecimento de políticas públicas de inclusão aumentam a demanda por profissionais de Serviço Social.

Por dentro da carreira em Serviço Social

Não existe um piso salarial nacional para o assistente nacional, mas existe um projeto de lei que visa estabelecer o piso salarial em R$3.720,00 para uma jornada de trabalho de 30 horas semanais. Jornada essa, aliás, que foi fixada por...

Leia Mais